Manequins e fotografia de rua

Já foi impensável, senão muito estranho, imaginar um fotógrafo lidando com um assunto tão anormal: << Fotografar manequins? Você é louco! >> qualquer homem do século XIX diria. Hoje, graças aos trabalhos de autores como Lee Friedlander e o sempre verde Eugene Atget , sabemos que temos uma ferramenta potencialmente ilimitada para nossa fotografia de rua. Então, o que estamos esperando?

Os manequins: porta-vozes taciturnos da sociedade contemporânea

Os personagens das nossas cenas fotografadas são de fundamental importância, disso sabemos bem. Homens, mulheres, manequins infantil e qualquer outra forma viva / não viva presente em nosso planeta, tornam-se outra coisa em nossa história, dentro daquele retângulo significativo chamado fotografia.

A capacidade de encontrar um ponto de vista diferente é o pão de cada dia para os fotógrafos de rua que almejam construir a sua própria linguagem, fazer o seu caminho neste mundo cada vez mais feroz. Então porque não arriscar com algo realmente muito perturbador – às vezes surreal – como os Manequins : os taciturnos porta-vozes do ecossistema da moda moderna e não moderna.

Você dirá que é uma brincadeira de criança: eles estão ali esperando que alguém os receba em sua imagem. Propriedades. Em estado de sofrimento aparente – ou pelo menos parece, sendo muito “semelhante” a nós em termos de características. E é precisamente aí que reside o jogo, nesta relação ambígua entre o homem e a sua representação.

Sob uma luz particular, eu desafio qualquer um a distinguir o real do irreal. O homem com a boneca. O fotógrafo de rua encontra-se então no meio destes dois mundos: o puramente concreto, feito de objetos, e o imaginário / surreal projetado para trazer à tona a loucura e o poder de uma dimensão que existe, e que é visível, está em dentro da imagem.

É preciso muito pouco: um ângulo diferente de nossa câmera, um uso inteligente da luz ou simplesmente saber aproveitar a oportunidade na hora certa. Os manequins estão lá, à nossa espera, recebem-nos de “braços abertos” e estão prontos para serem maltratados. Mas o que podemos realmente obter deles?

Os manequins estão entre nós …

Por natureza, os manequins já são em si realmente interessantes de retratar fotograficamente. Os fotógrafos de rua os “impressionaram”, primeiro no cinema e depois digitalmente, por muitos anos, conquistando assim uma pequena fatia do mercado eclético.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *