Doença cardíaca: tratamentos alternativos para AFib

Ioga

A combinação de exercícios suaves, respiração e meditação faz mais do que melhorar sua felicidade. Uma hora por dia, três vezes por semana, pode ser suficiente para reduzir a pressão arterial, a frequência cardíaca e o número de episódios de AFib após 3 meses. A ioga pode até mesmo diminuir a inflamação que pode levar ao AFib.

Acupuntura

É praticado em outras partes do mundo há séculos e quase não apresenta riscos. Pesquisas limitadas sugerem que mirar em um ponto interno do pulso pode ajudar seu AFib. A acupuntura é segura quando você vai a um especialista certificado e treinado. E alguns estilos usam pressão em vez de agulhas.

Wenxin Keli

Este extrato de erva é amplamente utilizado na China para tratar AFib ocasional ou paroxística. Estudos mostram resultados promissores. Pesquisadores chineses relataram poucos efeitos colaterais, e esses foram, em sua maioria, menores. Mas precisamos de mais pesquisas para ter certeza de que é seguro. Converse com seu médico antes de tomar este ou qualquer suplemento.

Peixe gordo

O salmão, a cavala e alguns atuns contêm vitamina D e ácidos graxos ômega-3 saudáveis para o coração. Muito pouca vitamina D tem sido associada a problemas cardíacos, e um estudo descobriu uma conexão entre níveis baixos e AFib que não está relacionada às válvulas cardíacas.

Uma dieta amiga do coração, como a dieta mediterrânea – com alimentos com baixo teor de colesterol e gorduras saturadas e trans, como peixe, frango e outras proteínas magras – pode diminuir a chance de complicações de AFib, como derrame.

Coenzima Q10

Pessoas com AFib e insuficiência cardíaca que tomaram este suplemento em um estudo tiveram um quarto a menos de episódios após 12 meses. Mas a CoQ10 pode tornar o anticoagulante warfarina (Coumadin) menos eficaz.

Medicamentos chamados estatinas, que reduzem o colesterol, também podem reduzir os níveis de CoQ10. Portanto, você deve verificar com seu médico antes de começar a tomá-lo.

Não contém gluten?

Pesquisadores na Suécia descobriram que algumas pessoas com intolerância ao glúten têm um risco maior de contrair AFib. Mas o inverso não é necessariamente verdadeiro: quando você tem AFib, não é mais provável que tenha problemas com glúten. Vá em frente e aprecie o pão integral e as massas (nas porções certas, é claro!). As fibras são boas para o seu coração.

Peso saudável

O excesso de peso pode afetar a AFib de algumas maneiras. Trabalhe para perder os quilos extras com exercícios e uma boa dieta. Não recorra a medicamentos para perda de peso sem receita. A erva ma huang, ingrediente de alguns deles, contém efedrina, que pode causar batimento cardíaco irregular.

Arranje tempo para se divertir

Programe atividades divertidas e siga esse plano, mesmo se você não tiver certeza se deseja. Um estilo de vida saudável – comer bem, fazer exercícios e dormir o suficiente – também ajudará a melhorar seu humor e manter o estresse sob controle. Você terá menos probabilidade de acionar o AFib.

Sem maconha

Agora que é legal em mais lugares, pode parecer uma opção para ajudá-lo a relaxar. Mas respire fundo primeiro. Embora não tenha sido muito estudado, pesquisas em Israel sugerem que o ingrediente ativo da maconha pode causar fibrilação atrial se você já tiver problemas com o ritmo cardíaco.

Biofeedback

Este treinamento ajuda você a aprender como seu corpo responde ao estresse. Eletrodos colocados na pele permitem que você saiba o que está acontecendo enquanto você está fazendo uma técnica de relaxamento, como meditação ou hipnose.

Ainda não é amplamente utilizado para AFib, mas um pequeno estudo mostrou que as pessoas eram capazes de controlar seus batimentos cardíacos irregulares ou arritmias.

Uma alimentação saudável beneficia a saúde de seu coração enquanto lhe ajuda a emagrecer, assim como detox caps para perder barriga, limpando seu organismo de toxinas e oxidantes desnecessários enquanto diminui seu peso na balança.

E o melhor de tudo isso é que não existem efeitos colaterais, justamente por se tratar de um produto 100% natural. Vale a pena conhecer!

E então, ficou alguma dúvida em relação ao conteúdo que trouxemos hoje?

Conte a nós, comente abaixo!

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *