Como fazer revisão para concurso?

A neurociência, nos dias de hoje, já entendeu que métodos de estudo ativos possuem maior eficiência na retenção de aprendizado. 

Nesse contexto, uma das etapas mais importantes desse processo é a revisão do conteúdo aprendido. Isso é especialmente importante para quem está buscando prestar concurso como a Espcex.

Sendo assim, se você está estudando para uma prova importante em um período próximo, é muito importante que você adote a estratégia de revisão para concurso.

Quer saber mais sobre como ela funciona?

Confira o artigo abaixo!

Tipos de memória

Os cientistas, nos dias de hoje, sabem que existem basicamente dois tipos de memória: a episódica e a semântica.

No caso da episódica, ela diz respeito a acontecimentos do nosso cotidiano, por exemplo, a primeira vez que dirigimos um carro, a primeira vez que andamos de bicicleta e lembranças do tipo.

Já no que diz respeito à semântica, ela refere-se a conhecimentos comuns para o dia a dia, por exemplo, o fato de que devemos parar o carro no semáforo quando ele se encontra com a luz amarela ou vermelha acesas.

Por que é importante fazer revisões do conteúdo aprendido?

Provavelmente, durante a sua vida acadêmica, você já passou pela seguinte situação: no dia de uma prova, após ter estudado com muita determinação, você não conseguia lembrar de detalhes o suficiente do assunto para responder o exercício. 

Nesse contexto, isso pode acontecer devido ao fato de que o seu cérebro aprendeu na hora que você leu, mas interpretou aquela informação como não sendo muito importante, o que fez com que ele a “jogasse fora”.

Em primeiro lugar, é importante entender que o nosso cérebro não faz isso por maldade: todos os dias nós somos inundados com os mais diferentes tipos de informações. 

Sendo assim, para o nosso organismo, guardar todas elas demandam muito esforço e, por esse motivo, o cérebro precisa fazer uma seleção do que vai ficar armazenado e do que pode ser “descartado”. 

Nesse contexto, para que o conteúdo que você aprendeu seja acessado na memória facilmente, você precisa fazer revisões sistemáticas, para que o seu cérebro entenda que aquela informação é importante e que precisa ser guardada.

revisão

Assim, basicamente, de acordo com a teoria das memórias, para acessar facilmente uma informação episódica, ela precisa ser armazenada de uma forma que impacte os seus sentidos; já para acessar facilmente uma memória semântica, você precisa repetir ela várias vezes (e é aí que entram as revisões).

A famosa – e temida – curva do esquecimento

Explicamos no começo deste artigo que o cérebro humano funciona selecionando algumas informações que ele considera importante para disponibilizá-las facilmente na memória: ou seja, você vai lembrar de forma mais fácil das coisas que te impactam. 

Depois dessa constatação, muitos psicólogos, pedagogos e profissionais da área de neurologia passaram a estudar como a memória funciona. 

Entre esses estudiosos da área de ensino e aprendizagem, muito se fala sobre a curva de esquecimento, um diagrama que foi criado pelo psicólogo Herman Ebbinghaus e que representa a forma como o cérebro funciona retendo alguma informação.

Em linhas gerais, essa curva demonstra como um assunto aprendido pode “sumir” do acesso rápido caso não seja usado com frequência. Sendo assim, a conclusão desse gráfico é que precisamos fazer revisões espaçadas para garantir que o conhecimento permaneça fresco na nossa memória.

Como organizar as minhas revisões?

Uma boa revisão deve ser organizada antes mesmo que você estude o assunto pela primeira vez.

Isso porque é a partir do primeiro contato com o conteúdo que você pode determinar quais são as partes mais importantes sobre ele, que pode organizar o material para fazer a revisão, além de diversas outras coisas importantes.

Assim, antes de mais nada, entenda como você pode estudar o conteúdo e, depois, organize as suas revisões.

Basicamente, para revisar de forma eficiente, o que você precisa é:

  1. Organize o seu material de estudo para a revisão no momento em que esteja estudando pela primeira vez o assunto (faça resumos, mapas mentais, fichamentos ou qualquer outro material que possa servir para a sua revisão. Nesse caso, o mais importante é que esse material seja PONTUAL e direcionado para que você faça uma revisão de qualidade);
  2. Explore as diferentes formas de fazer revisão: existem matérias que o ideal é fazer a revisão por meio de repetição; já em outras, a melhor forma de revisão pode ser através de questões e simulados, pois, nesse caso, você pode treinar o seu cérebro para pensar o conteúdo de acordo com o que pode ou não ser cobrado na prova; ainda, você pode fazer sua revisão de forma ativa, sem perder muito tempo, apenas tentando relembrar os principais tópicos abordados na questão;
  3. A revisão completa de todo o assunto não pode consumir muito tempo do seu dia, pois, como o próprio nome já deixa claro, a intenção é que você reveja o assunto (ou seja, você teoricamente já aprendeu ele uma vez e precisa apenas relembrar);
  4. Dê preferência por métodos de revisão ativa, apenas ler o material de revisão pode não ser o suficiente, pois isso não faz com que você faça com que o seu cérebro se esforce para gravar a informação. Por exemplo, antes de pegar o material de revisão, você pode tentar lembrar do que o assunto se trata (fazer um mapa mental de cabeça? Anotar os principais tópicos? Você escolhe!);

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *