É possível divorciar-se perante um notário?

É possível divorciar-se perante um notário?

Se você tem um problema com seu parceiro e decidiu que o melhor é se divorciar, você vai viver um momento difícil do ponto de vista emocional, mas que pode ser simplificado, se houver vontade para chegar a um acordo, através do divórcio perante um notário para torná-lo mais rápido.

É provável que você tenha consultado informações na internet e tenha dúvidas sobre os efeitos do divórcio e as formas de se divorciar. Basicamente, o divórcio dissolve o casamento, então você e seu ex-parceiro podem se casar novamente. Esta é a principal diferença da separação.

Para se divorciar do seu ex-parceiro, você tem duas opções:

  • divórcio litigioso . É aquele que é realizado perante um Juiz quando o casal não concorda sobre os aspectos do divórcio (guarda, visitas, pensão alimentícia, etc.) e um dos dois ou ambos apresentam separadamente um pedido de divórcio.
  • Divórcio Incontestado . É usado quando você e seu ex-parceiro concordam sobre os vários aspectos do divórcio. Nestes casos, o divórcio pode ser processado perante o Tribunal correspondente (o acordo regulamentar é simplesmente apresentado com uma ação conjunta e homologado pelo ex-companheiro) e perante um Notário, no caso de não ter filhos em comum ou tê-los e são maiores de idade e economicamente independentes.

Em que casos é possível o divórcio perante um notário?

A separação de um casal é muito difícil, muitas emoções se misturam e queremos que esse momento passe o mais rápido possível. Por esse motivo, quanto mais rápidos os procedimentos, melhor. Nesse sentido, o divórcio perante um Notário pode acelerar bastante a situação.

Em Espanha, desde 2015, o divórcio perante um notário é possível desde que cumpra uma série de requisitos, que são os seguintes:

  • 3 meses devem ter decorrido desde a celebração do casamento.
  • Devem ser casamentos sem filhos ou com filhos maiores de idade ou economicamente independentes.
  • O ex-companheiro pode escolher livremente o Notário que processará o divórcio.
  • O ex-companheiro deve comparecer pessoalmente à assinatura da escritura de divórcio.
  • É necessária a assistência de um advogado praticante .
  • escritura conterá a vontade do ex-cônjuge de divorciar-se e o conteúdo do Acordo Regulamentar que tenham pactuado, podendo estabelecer aspectos como: a atribuição da casa de família, a liquidação do regime económico matrimonial (lucro, por exemplo) ou a pensão compensatória de um dos cônjuges a favor do outro.
  • No caso de existirem filhos maiores de idade que residam na casa da família, estes devem dar o seu consentimento para o acordo de divórcio.

Quais são os passos a seguir?

Se você atende aos requisitos que vimos e deseja se divorciar perante um notário, os passos a seguir são os seguintes:

  • Acerte com seu ex-parceiro, com a ajuda de um advogado, o conteúdo do Acordo Regulatório.
  • Vá para a assinatura da Escritura de Divórcio.
  • Registrar a Escritura no Registro Civil. Este procedimento pode ser feito por uma agência (geralmente a que colabora com o Notário) ou por si mesmo indo pessoalmente ao Registo Civil. A partir do momento da assinatura, o divórcio tem plenos efeitos entre o ex-companheiro e produzirá efeitos contra outras pessoas quando for registrado no Registro Civil.

O divórcio em Cartório tem a grande vantagem de ser mais rápido, pois os procedimentos não precisam ser realizados perante o Tribunal, o que dependerá da carga de trabalho desse Tribunal.

Qual Lavadora Comprar

Qual Lavadora Comprar

Está pensando em trocar de máquina de lavar e não sabe qual escolher? Não se preocupe, uma mudança de máquina de lavar não é algo que fazemos com frequência, por isso é normal que certos aspectos nos sejam desconhecidos. 

São várias as dúvidas que podem surgir na hora de escolher uma máquina de lavar. O tipo de máquina de lavar roupa , as rotações que deve ter, a capacidade de carga que vai precisar.

Queremos ajudá-lo a tomar a sua decisão, por isso damos-lhe uma série de dicas para decidir qual lavadora comprar sem cometendo erros.

Como Escolher sua Máquina de Lavar

Para escolher uma ou outra máquina de lavar em função da que melhor se adapta às suas necessidades, há uma série de critérios que deve ter em conta se pretender que a sua compra seja o mais bem sucedida possível. Esses critérios dependem de fatores como o número de pessoas que moram na casa, o espaço que você tem disponível, até mesmo o clima.

Tipos de Lavadora

Existem basicamente três tipos de máquinas de lavar: lavadora de carregamento frontal, lavadora de carregamento superior e lavadora-secadora. 

Embora a grande maioria dos lares espanhóis tenha máquinas de lavar de carregamento frontal, razão pela qual ocupam a maior parte deste mercado, as máquinas de lavar de carregamento superior são muito úteis em residências onde o espaço para sua localização é limitado, pois são mais compactos.

As máquinas de lavar e secar roupa têm a vantagem de nos dar a funcionalidade de dois produtos num só, mas a sua eficiência energética é inferior.

Capacidade de Carga

Você deve deixar claro que o tamanho de uma máquina de lavar não depende de sua capacidade de carga. Embora a altura possa variar alguns centímetros, a largura é praticamente a mesma.

Atualmente no mercado temos diferentes máquinas de lavar em função da sua capacidade de carga. Se pretende saber como escolher a capacidade da sua máquina de lavar, podemos ajudá-lo. É importante que você leve em consideração o número de pessoas que moram em sua casa, pois isso determinará a capacidade. 

Se forem geradas muitas roupas sujas e a máquina de lavar estiver com pouca carga, você terá que usá-la mais vezes e, portanto, o consumo será maior.

Revoluções da Máquina de Lavar

Outro critério que você deve levar em conta na hora de escolher sua máquina de lavar são as revoluções. Eles determinam a velocidade de uma máquina de lavar e são medidos em rpm (rotações por minuto), ou seja, o número máximo de voltas que o motor pode fazer em um minuto. 

Isso influenciará a umidade das roupas quando o programa de lavagem terminar. Quanto mais revoluções, menos umidade na sua roupa e vice-versa.

Consumo Energético

Esse é um dos fatores que tem ganhado mais peso ao longo do tempo na hora de escolher um eletrodoméstico. Cada vez mais prestamos mais atenção à eficiência de um dispositivo elétrico, não apenas pela economia em nossa conta, mas também pelo impacto ambiental

Hoje, todas as máquinas de lavar têm um programa ECO, mais barato e mais ecológico. Embora geralmente seja um programa mais longo, ele ajudará você a economizar na conta de luz e a ser mais responsável com o meio ambiente, reduzindo a quantidade de água que você usa.

Como pedir cartão de crédito Pagbank?

Pedir cartão de crédito PagBank

Ter um cartão de crédito em mãos é uma das melhores vantagens a quem precisa organizar a vida financeira ou fazer compras. De um jeito prático e fácil, todo cartão de crédito é útil, mas, em alguns casos são melhores ainda. Sabe como? Ao pedir cartão de crédito PagBank, você nota toda a diferença.

Isso porque essa modalidade está diretamente ligada ao PagSeguro, que se transformou em instituição financeira e passou a oferecer diversas vantagens, como diferentes tipos de cartões, inclusive de crédito.

Assim, ao pedir cartão de crédito PagBank, você abre uma série de possibilidades, pois não usa somente uma vertente de uma das instituições financeiras mais completas do país, como também faz isso conhecendo cada uma de suas vantagens.

Ao pedir cartão de crédito PagBank, você pode, inclusive, levar seus rendimentos a um só banco. Mas vamos te explicar isso em detalhes a partir de agora, e você vai poder adiantar sua vida financeira de forma bem rápida, do jeito que precisa para tirar as contas do atraso.

Qual a diferença entre os cartões PagBank?

Existem três tipos de cartões do PagSeguro, o qual criou o PagBank para diferenciar-se entre os tipos de produtos financeiros que oferece. Por isso, pedir cartão de crédito PagBank te faz ser incluído em uma rede enorme, que ganha cada vez mais força no Brasil.

Se você faz compras pela internet há bastante tempo, é bem provável que já tenha esbarrado em uma conta da PagSeguro. Agora, então, você encontra no PagBank sua vertente bancária.

Assim, há o Cartão da Conta, o qual pode ser utilizado como um cartão de banco regular, com função débito disponível. Há o Cartão Pré-Pago, que é recarregável e é excelente para quem precisa de controle sobre os gastos. E o Cartão de Crédito, com a função tradicional disponível.

Ao pedir cartão de crédito PagBank, você encontra todas essas vantagens como opcionais à sua disposição. Caso queira, basta seguir com as propostas que solicitar e realizar a sua melhor opção.

Como funciona o Cartão de Crédito PagBank?

Como pedir o cartão de crédito PagBank se tornou uma facilidade enorme, agora que você já sabe, o próximo passo é transformar a sua rotina de uso de maneira prática e segura.

Ou seja, ao pedir cartão de crédito PagBank, você conseguirá realizar suas compras normalmente, como faria com qualquer outro cartão de crédito, com a grande vantagem de ser um cartão sem anuidade!

O cartão de crédito PagBank é da bandeira Visa Internacional, o que facilita ainda mais suas compras, pois você poderá realizá-las tanto no Brasil quanto em lojas fora do país, o que também conta para as lojas virtuais de outras nacionalidades.

E, se preferir, tenha a conta no PagBank para que seu controle financeiro esteja sempre em ordem. Da mesma forma que pedir cartão de crédito PagBank, abrir sua conta não exige esforço, porque tudo é muito simples, prático e online.

Como pedir o Cartão de Crédito PagBank?

Pedir cartão de crédito PagBank é simples e bem fácil. Basta se tornar cliente PagBank, se preferir, e solicitar sua linha de crédito. Como se trata de um cartão tradicional, você passa por uma análise, tanto financeira quanto de seus dados.

Assim, ao perceber como pedir o cartão de crédito PagBank é simples e prático, você aproveita de todos os benefícios de quem é cliente da própria instituição financeira, e não precisa se preocupar: a entrega é gratuita.

Benefícios do Cartão de Crédito PagBank

Para quem já conhecia a PagSeguro, o PagBank é uma extensão de todos os seus benefícios. Você pode, por exemplo, pagar um boleto da PagSeguro com seu cartão de crédito PabBank, o que serve para as diversas transações comerciais de quem tem um pequeno negócio, por exemplo, ou faz compras online.

Ao pedir cartão de crédito PagBank, você encontra benefícios como assinatura automática da Netflix e do Spotify, além de descontos no programa Vai de Visa, que te faz pagar menos em viagens, sobretudo hotéis e passagens aéreas.

E mais: se você passar um pouco do planejado, poderá parcelar sua fatura utilizando o mesmo aplicativo que faz controle no dia a dia. Aliás, vale dizer que essa é uma das maiores vantagens: ser tudo muito prático, em poucos cliques, sem dor de cabeça ou horas no telefone.

Assim, com todos os benefícios, você fica por dentro de uma forma definitivamente vantajosa de ter sua vida financeira completamente controlada. Afinal, quem precisa perder tempo com taxas, prazos e outras dores de cabeça, não é mesmo?

Portanto, ao pedir cartão de crédito PagBank, você encontra todas as vantagens que leu neste artigo e, com elas, consegue realizar suas compras e seu controle financeiro de forma muito mais prática e segura. Aliás, praticidade é palavra-chave para o Pagbank, e você, mais do que ninguém, sabe disso, não é verdade?

Como usar uma camisa de futebol

Como usar uma camisa de futebol

Chute seu estilo em alta velocidade.

Como a maioria, o futebol é algo que realmente só surge na minha consciência uma vez a cada quatro anos durante a Copa do Mundo ou quando estou lendo algum artigo sobre como David Beckham fica drogado em calças de moletom . E hoje em dia, embora eu saiba que o torneio de futebol da Euro 2016 foi um passeio selvagem (a Islândia acabou de derrotar a Inglaterra! É uma loucura!), os detalhes do que está acontecendo não são muito importantes para minha vida. Mas aqui está o que eu sei: as camisas de futebol são incríveis. Em termos de pura usabilidade, eles podem até ser o melhor de qualquer uniforme de atleta profissional. E o verão – a época do ano em que você não precisa de nada além de uma camisa ousada para fazer uma declaração – é a melhor época para usar uma.

Aqui está o que você deve saber antes de se equipar.

1. Não seja um falso fã de futebol.


Chame isso de futebol. Não podemos enfatizar isso o suficiente. Se você é um americano que realmente não sabe muito sobre o esporte, chame-o pelo nome americano. Consulte também as camisas de futebol como tal. Não seja o americano ignorante que anda por aí se apoiando nas palavras “futebol” e “kit” só para impressionar os estrangeiros. Vai ser como quando seu pai tenta dizer “da sorte”.

Confira a maravilhosa – Camisa de Time da Roma e seja um verdadeiro fã e impressione a todos com bastante estilo.

2. Escolha uma camisa que fique bem em você.


Aqui está a coisa: há muitas camisas de futebol realmente feias por aí. A vantagem de não ser torcedor de nenhum time é que você realmente não tem motivos para usar uma camisa feia só porque é o time que você torce. Em vez disso, seja como Drake e encontre um que você ache legal. (Estamos dispostos a apostar que Drake não é o maior fã da Juventus do mundo.) Inferno, nem precisa representar um time de futebol de verdade.

3. Compre a versão de réplica.


As versões de camisas de campo tendem a ser extremamente justas, o que é bom se você for um atleta profissional com um pacote de oito . Mas mesmo para aqueles de nós que estão em forma, camisetas super justas ficam estranhas com roupas de rua, especialmente quando são de tecido de poliéster como a maioria das camisetas. Em vez disso, escolha a versão de réplica , que se encaixa mais como uma camiseta comum e menos como o Spanx. Além disso, as réplicas geralmente são mais baratas.

4. Chute-o à moda antiga.


Muitas novas camisas de futebol tendem a apresentar logotipos corporativos e tecidos de alta tecnologia. Se isso não for para você, acesse o eBay para uma camisa vintage, que será menos caótica em termos de design e pode até vir em algodão menos tecnológico, mas mais aconchegante.

5. Use-o casualmente.


Isso basicamente significa com tênis. Adoramos uma mistura alta-baixa, mas uma camisa de futebol com um par de calças e mocassins é simplesmente estranho. As camisas combinam melhor com jeans e seus tênis brancos mais limpos (não é hora de usar seus novos Yeezys).

Veja aqui também – Dicas para escolher a camisa perfeita

Como Escolher a Bicicleta Certa: uso, tipo e objetivos

Como Escolher a Bicicleta Certa: uso, tipo e objetivos

uma bicicleta envolve um investimento financeiro substancial, por isso é importante fazer a escolha certa. O principal é estarmos cientes do uso que vamos dar a ela, qual é o nosso objetivo a médio-longo prazo e não nos deixarmos guiar por caprichos ou impulsos. 

Escolhendo o tipo de bicicleta desejado (estrada, montanha, cascalho, etc), nosso segundo dilema é avaliar o objetivo que estamos perseguindo e a frequência de uso, ponderando se vamos usar nossa bicicleta para uso recreativo ou vamos alocar para a competição.

Se decidirmos por uma bicicleta de estrada, devemos saber que elas são oferecidas com geometrias variadas. Sua escolha está relacionada a aspectos como a disciplina do ciclista, seus objetivos e suas características físicas. Todos eles determinarão a agressividade do quadro e a possível adaptação do ciclista. 

Tenha em mente que a geometria de uma bicicleta pode ser ‘modificada’ alterando alguns componentes, mas não pode ser alterada. Portanto, sua escolha correta será importante para evitar problemas posteriores como má adaptação ou a impossibilidade de ajustar a bicicleta às medidas necessárias para o ciclista.

Em linhas gerais, diferenciamos três tipos de geometrias: aero, típica das motos de competição, com geometrias mais agressivas e fisicamente mais exigentes; alpinistas, projetadas com geometrias mais versáteis, e ‘endurance’, típicas de bicicletas projetadas para percorrer longas distâncias e, portanto, geometrias mais relaxadas.

Se optarmos por uma bicicleta de montanha, daquelas concebidas para andar em pistas e trilhos, importa referir que existem diferentes tipos entre elas, embora as mais utilizadas sejam as de ‘cross-country’ (XC) ou ‘trail’ gênero, uma vez que oferecem geometrias mais descontraídas e seu uso é o mais difundido na iniciação. Podem ser rígidos (sem suspensão) ou com suspensão dianteira ou suspensão dupla.

Se a nossa escolha se encaixa em uma bicicleta de cascalho, aquelas máquinas ‘off-road’ que permitem que você aproveite tanto a estrada quanto as pistas não pavimentadas, devemos especificar que seu design é semelhante ao das bicicletas de estrada, mas oferecem uma geometria mais relaxada, por isso são adequados tanto para ciclismo como para uso urbano.

Se nenhuma das opções acima o convencer e você escolher uma bicicleta de triatlo, também chamada coloquialmente de ‘cabras’, você deve saber que essas são bicicletas orientadas para a competição. Por isso, têm geometrias desenhadas para favorecer a aerodinâmica, razão pela qual são fisicamente muito exigentes na sua utilização e requerem uma adaptação muito específica.

Depois de pesar todas essas informações, é bastante comum que o usuário ainda tenha algum tipo de dúvida na hora de escolher a bicicleta que mais combina com ele, assim como o tamanho correto. 

O ideal, sempre que possível, é realizar um estudo pré-compra em que o biomecânico indicará a bicicleta certa para nossas necessidades e o tamanho recomendado, levando em consideração nossas características e preferências. No entanto, caso tal não seja possível, podemos orientar-nos pelas tabelas indicativas disponíveis para as diferentes marcas e consultá-las na nossa loja de confiança onde nos poderão orientar devidamente.

Não esqueça de adquirir o seu seguro para a sua bicicleta.

Como colocar a bicicleta à minha medida?

Embora não exista um ajuste que funcione para todos os ciclistas, existem alguns tipos que podemos seguir para ajustar uma bicicleta às nossas necessidades de maneira genérica, tanto na compra de uma bicicleta nova quanto na utilização de uma bicicleta que não é nossa. 

É importante ter em mente que essas dicas são gerais e que sempre que for necessário um posicionamento específico e personalizado, será essencial realizar um estudo biomecânico. 

Antes de começar a fazer qualquer modificação em sua bicicleta, certifique-se de que ela esteja em uma superfície plana e nivelada e que você tenha as ferramentas necessárias para fazer os ajustes.

Colocação de calçados e presilhas

Em caso de uso de pedais clássicos ou com ripas, não será necessário o uso de calçado específico ou ajuste do pedal. Bastaria adaptar o calçado ao terreno em que vamos rolar. Se usarmos pedais automáticos, será necessário comprar calçados específicos para ciclismo e colocar as chuteiras corretamente. 

Existem diferentes tipos de presilhas que são presas ao pedal correspondente, por isso é importante prestar atenção a este detalhe e escolher as presilhas corretas para nossos pedais, sendo habitual que na mesma loja onde você compra os sapatos e as presilhas que eles colocam eles para você. .

De um modo geral, o grampo deve ser colocado entre o primeiro metacarpo ou extremidade do dedão do pé (área do joanete) e o quinto metacarpo ou extremidade do dedo mínimo. A trava não deve estar excessivamente avançada ou atrasada; devemos sentir o apoio na área do metatarso. 

Também será necessário prestar atenção à posição dos calcanhares, pois estes não devem estar muito fechados ou muito abertos. O ajuste das presilhas, assim como o posicionamento na bicicleta, será específico para cada ciclista com base em suas características físicas.

Escolha da sela

Existem tantas selas diferentes no mercado quanto pessoas. O ideal na hora de comprar um selim seria poder testá-lo antes, mas nem sempre é possível. O tipo de selim adequado dependerá da nossa fisionomia, da modalidade que praticamos e da nossa posição na bicicleta, pelo que é difícil aconselhar um selim sem conhecer o ciclista. 

O mais aconselhável é consultar o nosso biomecânico e caso não seja possível ir até a nossa loja de confiança, veja os modelos disponíveis e deixe-nos aconselhar. 

É importante, ao sentarmos na sela, estarmos cientes de que nossos ossos do assento, ou seja, os ossos do rabo, estão bem apoiados nele. Eles não devem ficar de fora ou sentir que a sela afunda entre eles.

Altura do selim

Existem diferentes teorias para especificar a altura em que o selim deve ser colocado. A fórmula mais utilizada consiste em multiplicar a altura da virilha do ciclista pelo coeficiente 0,885. O resultado indicará a altura aproximada em que a sela deve ser colocada, expressa em centímetros

Para calcular o comprimento da virilha, é necessário ficar em pé, descalço e com os pés ligeiramente afastados; e assim medir a distância do nosso períneo ao solo. A altura do selim obtida corresponderá à distância do centro do suporte inferior ao centro do selim, aproximadamente onde o selim tem 7 centímetros de largura.

Como regra geral, podemos identificar uma série de “sintomas” de que nosso selim está muito alto: sentir dor na região do períneo; oscilação excessiva do quadril lateral ao pedalar; dor na parte de trás do joelho e sensação de dificuldade para descer ao pedalar, notando um ponto excessivo dos pés. 

Pelo contrário, os sinais de que montamos um selim muito baixo são: dor na região anterior do joelho; lombalgia e aparecimento de sobrecarga e fadiga muscular excessiva.

Inclinação da sela

É comum não prestar atenção na inclinação do selim e é um aspecto que costuma causar desconforto e problemas comuns em ciclistas. O selim deve ter uma inclinação neutra para nos oferecer estabilidade e uma correta distribuição de peso sobre os ossos do assento. 

A maneira mais fácil de saber se a sela tem a curvatura adequada é usar um nível de bolha. Ao fazer isso, você deve colocar o nível no meio da sela, pois dependendo da forma da sela pode levar a enganos.

Para saber se o nosso selim dá sinais ‘positivos’, ou seja, se apresenta a ponta para cima, é necessário saber se notamos hiperpressão na zona perineal e/ou se sentimos desconforto na zona lombar. Ao contrário, uma sela em ‘negativo’, com a ponta para baixo, nos dará a sensação de ‘cair’ para frente acompanhada de uma carga de excesso de peso nos braços.

Recuo da sela

O recuo do selim é o movimento para frente ou para trás do selim em relação ao suporte inferior. Antes de determinar o referido recuo, será importante ajustar a altura do selim. Se dermos ouvidos à teoria, colocando o recuo na posição correta e colocando as manivelas paralelas ao solo; nosso joelho deve estar alinhado verticalmente com o meio do pedal.

Vamos com os sinais de ajuda. Se nosso selim estiver muito para trás, teremos a sensação de não alcançar o guidão corretamente (indo longo); sofreremos dores lombares e teremos uma pedalada ruim. No extremo oposto, um selim muito avançado causará dor no joelho; necessidade constante de nos reposicionarmos mais para trás no selim e a sensação óbvia de ter o guidão muito perto.

Altura do guidão

A altura do guidão é um fator que influencia diretamente no conforto e também dependerá da altura do selim. O usual é que haja uma diferença entre a altura do selim e a altura do guidão; ou seja, o guidão é colocado mais alto ou mais baixo que o selim. 

É difícil especificar qual deve ser sua altura em geral, e o mais fácil é testar e ver quais são nossas sensações ao andar de bicicleta. Devemos ter em conta que uma altura adequada do guiador deve permitir uma flexão do tronco de cerca de 45º em relação à horizontal e uma distribuição adequada do peso entre o selim e os braços.

O guidão mais alto que o selim nos oferece uma posição mais confortável e menos exigente para as costas, com menor carga de peso nos braços-mãos e melhor manuseio da bicicleta nas descidas, razão pela qual costuma ser a escolha dos ciclistas. início na atividade ou com pouca experiência.

Um guidão mais baixo que o selim, em geral, nos oferece uma posição mais aerodinâmica e competitiva, e melhor manuseio da bicicleta em subidas. Mais uma vez vamos com os sinais de ajuda. Guidão muito alto: dor lombar e sobrecarga nos braços. Guidão muito baixo: sensação de peso excessivo nos braços; dormência das mãos e dor cervical e/ou dorsal.

Distância do guidão

Estando no selim, devemos alcançar bem o guidão e principalmente as alavancas de freio, confortavelmente, sem precisar esticar as costas ou esticar excessivamente os braços. 

A distância entre o selim e o guiador pode ser variada alterando o comprimento do avanço e o recuo do selim. Os sinais de que nosso guidão está muito longe são: alcance ruim do guidão e manetes de freio; desconforto na região cervical, dorsal ou lombar devido a uma posição muito esticada. 

Ao contrário, os sinais de um guidão muito próximo são: desconforto nos ombros e braços; e o risco de tocar o guidão com o joelho ao pedalar em pé.

O que devo prestar atenção?

É óbvio que a posição na bicicleta difere muito da posição anatômica do ser humano, por isso é normal que quando começamos a pedalar ou quando fazemos passeios longos sintamos algum desconforto muscular e articular, e até mesmo o bem-estar rigidez conhecida que não temos a eles deve ser dada maior importância, como em qualquer outra atividade que está fora de nossa rotina habitual. 

No entanto, se esses desconfortos não desaparecerem no final da atividade ou em um curto período, persistirem ao longo do tempo ou forem um impedimento para continuar com nossa atividade diária, é importante consultar um biomecânico para detectar a possível origem do problema e achar uma solução.

Fique atento aos sinais de alerta. Tenha cuidado se notar dormência na região perineal e desconforto geniturinário ou se suas mãos e pés adormecerem; dor lombar ou lombociática; dor cervical ou cervicobraquial; e dor na face anterior, lateral ou posterior dos joelhos. Resumindo tudo isso, lembre-se que o processo biomecânico é complexo, único e personalizado para cada ciclista. 

Embora existam diferentes dicas que nos ajudam a ajustar nossa bicicleta de maneira geral, elas sempre serão medidas aproximadas e não específicas para cada ciclista específico. Assim, em caso de dúvida ou se necessitar de um cargo específico, é adequado dirigir-se a um centro biomecânico onde tenha meios profissionais para responder às suas necessidades. 

Por isso, lembre-se que andar de bicicleta deve ser uma atividade prazerosa e livre de sensações desconfortáveis, independentemente da modalidade que você pratica. Comece a atividade progressivamente, dando ao seu corpo o tempo necessário para se adaptar. Em caso de dúvida, Deixe-se aconselhar por profissionais qualificados e não se apresse na tomada de decisões. E, acima de tudo, divirta-se muito!

O que é um Armazém para Produtos Químicos?

O que é um Armazém para Produtos Químicos?

Os armazéns de produtos químicos possuem características especiais devido ao perigo e riscos envolvidos nas mercadorias que abrigam. Por esta razão, eles têm medidas de segurança muito mais rigorosas do que as instalações convencionais , em grande parte determinadas pelo perigo dos produtos químicos que contêm. Neste artigo nos aprofundamos neste tipo de armazém.

Veja também o que são produtos controlados – Um Guia Completo para você

Definição de armazém para produtos químicos

Um armazém de produtos químicos é uma instalação habilitada para armazenar este tipo de produtos, quer para os processos produtivos da empresa, quer para os utilizar como auxiliar em tarefas como a manutenção ou limpeza.

Características no armazenamento de produtos químicos

Os armazéns de produtos químicos diferem dos de uso geral e devem se adequar à legislação vigente, com os requisitos estabelecidos nas regulamentações estaduais e regionais do local onde estão localizados.

Consoante o tipo de produtos químicos que contenham , serão dotados dos respectivos sistemas de ventilação, pavimento inclinado para evacuação de eventuais derrames, zonas de combate a incêndios delimitadas e equipamento específico para este tipo de armazenamento. 

Da mesma forma, o pessoal qualificado encarregado de manusear essas cargas perigosas deve usar os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) relevantes, como máscaras, luvas, óculos de proteção…

Nestes armazéns, é de extrema importância a prevenção de acidentes através da revisão da infraestrutura e do controlo dos processos dos trabalhadores que realizam ações como o transporte, carga e descarga ou limpeza, que podem originar situações perigosas, como o contato com os produtos ou derrama.

Fatores a considerar em um armazém de produtos químicos

O Ministério do Trabalho e da Segurança Social indica no seu documento informativo sobre a armazenagem de produtos químicos uma série de pontos críticos para garantir a segurança na sua armazenagem. Entre eles:

Determinar o perigo de armazenamento

O primeiro passo é estudar quais produtos químicos são armazenados, a quantidade e seu grau de periculosidade. Ter essa lista é essencial para ações tão importantes quanto determinar medidas de combate a incêndio ou em caso de liberação acidental ou acionar primeiros socorros. Para estabelecer o perigo, é necessário ter a Ficha de Dados de Segurança (FDS) dos produtos.

Garantir as condições técnicas das instalações de armazenamento

Eles são determinados pelo tipo de armazenamento e dizem respeito ao projeto, construção, distâncias de segurança, sistemas de incêndio…

Produtos químicos do grupo garantindo sua compatibilidade durante o armazenamento

É essencial porque o armazenamento inadequado em conjunto pode levar a incêndios, explosões, emissão de gases tóxicos e outros perigos.

Segurança de manuseio

Outro ponto importante é especificar as medidas e procedimentos de trabalho durante as operações de manuseio e manutenção de produtos químicos.

Estabelecer o plano de emergência no armazenamento Finalmente, deve-se levar em consideração que cada instalação de armazenamento ou grupo de instalações de armazenamento deve ter seu próprio plano de emergência que determina o protocolo de ação para os riscos que esse tipo de armazenamento acarreta, por exemplo, vazamentos, derramamentos ou incêndios.

Decoração e home office – como ser mais produtivo através dos detalhes

produtividade em home office

Você sabia que a forma como seu ambiente é decorado e todas as cores escolhidas no seu home office influenciam na sua produtividade durante as horas de trabalho?

Muitas vezes manter o foco e a produtividade trabalhando da própria casa pode ser uma tarefa difícil e desafiadora; entretanto, os detalhes podem lhe ajudar a manter o foco, confira neste artigo como ser mais produtivo em seu home office através de pequenas mudanças no seu ambiente de trabalho.

Quais impactos as cores provocam nas pessoas?

Existe um estudo chamado “psicologia das coresonde se busca entender e compreender o comportamento do ser humano ao entrar em contato com as mais diversas cores, e, apesar dessa estratégia ser maior aproveitada na área do marketing nada impede que a nossa própria residência seja adequada de forma com que o impacto das diferentes cores estejam em harmonia com o que o ambiente pede.

As cores são capazes de gerar efeitos como mudanças nas: emoções, sentimentos, surgimento de desejos, mudança de concentração e etc.

Qual a influência das cores no ambiente de trabalho?

Assim como o branco e o azul são cores ideias para o quarto e que favorecem o seu descanso durante a noite.

As cores do seu ambiente de trabalho também devem ser bem planejadas e pensadas, visando uma maior produtividade e bem estar de sua parte.

Se você dispor de um papel de parede muito colorido por exemplo poderá ser informação demais para o local e causar uma agitação, fazendo com que você perca o foco da atividade.

Quando falamos de cores no ambiente de trabalho o equilíbrio é a principal respostas, tons mais quentes como o vermelho e laranja quando misturados com quadros, móveis, tapetes, etc. pode deixar o ambiente muito pesado desfavorecendo sua concentração.

O ideal é que você visite uma loja de papel de parede e aposte em tons mais neutros, cores como cinza e bege, o papel de parede também lhe permite apostar em algumas estampas menos monótonas como aquelas que imitam tijolos, sendo a combinação perfeita entre modernidade e produtividade para seu ambiente de trabalho, garantindo que o local não vá ficar monótono demais e nem com informações demais.

Como montar um home office produtivo?

Como mencionado, a sua produtividade está escondida nos detalhes, pequenas mudanças no seu ambiente de trabalho poderão fazer toda a diferença!

O home office lhe dá a liberdade de criatividade e mudança, onde você pode adequar o local da maneira como preferir, use esse detalhe a seu favor.

Siga uma lista com dicas de como deixar seu home office mais produtivo.

  • Utilize a psicologia das cores: a primeira dica é utilizar as informações aprendidas acima, não ignore as cores no seu ambiente de trabalho, as cores possuem um poder sobre você e sua produtividade, dependendo da combinação de cores o ambiente pode ficar monótono demais e lhe deixar sem ânimo para trabalhar ou então animado demais a ponto de que você tenha muita energia, porém, não para o trabalho. Então, faça um bom estudo das cores de seu ambiente.
  • Decoração: aposte numa decoração mais simples, sem objetos muito chamativos e que possam roubar sua atenção enquanto trabalha; apostar na decoração minimalista é uma boa tática quando falamos do ambiente de home office, simplicidade e praticidade, móveis e objetos que conversam entre si lhe deixam mais focado durante as horas de trabalho.
  • Luz natural: torne a luz natural a sua melhor amiga no seu home office, a iluminação natural é uma grande amiga quando falamos de produtividade, energia e foco durante o trabalho!
  • Natureza: voltando no assunto decoração implementar pequenas plantas no seu ambiente de trabalho é uma excelente alternativa; as plantas possuem a capacidade de diminuir todo aquele estresse e seriedade que um ambiente de trabalho transmite de forma natural, plantas liberam no homem até mesmo de forma natural uma sensação de tranquilidade, uma proximidade com a natureza que faz com que seu trabalho se torne mais saudável e produtivo.
  • Organização: um home office produtivo precisa de organização, sendo essa uma das premissas para que você mantenha o foco durante as horas de trabalho; por isso, todos os dias no fim do expediente, mesmo trabalhando de casa, tire alguns minutos para organizar o local, desligue o computador, guarde cadernos, pastas e anotações, etc. garanta que quando você voltar para trabalhar no outro dia irá encontrar um ambiente limpo e propício para seu trabalho.  

Como manter o foco em casa?

Manter os focos durante as horas de trabalho em casa, vão, definitivamente, muito além dos detalhes, da escolha de cores e da decoração de seu ambiente de trabalho, mesmo que elas possuam um papel importante no seu foco, algumas outras atitudes devem ser tomadas para que a produtividade e foco no seu home office não acabem caindo, siga:

  • Horário de trabalho: apesar da flexibilidade e da liberdade que o home office apresenta é importante que você mantenha um horário de trabalho fixo; criando assim uma rotina e disciplina, onde seu cérebro irá entender que durante x intervalo de tempo ele precisará estar focado no trabalho, quando você sabe o horário de começar e o horário de terminar a tendência é que seja mais produtivo; diferente daquele que deixa uma lacuna no horário de trabalho todos os dias.
  • Silêncio: uma das maiores dificuldades do home office é conseguir o tão precioso silêncio necessário para manter o foco e ser produtivo; algumas sugestões são investir em isolamento acústico para seu ambiente de trabalho, utilizar fones de ouvido enquanto trabalha e, é claro, contar com o apoio da família para que diminuam o barulho enquanto está trabalhando.
  • Faça pausas: ninguém é 100% focado e produtivo durante todas as horas de trabalho, tentar isso apenas irá fazer com que você acabe se estressando e sendo menos produtivo; faça pequenas pausas, levante para tomar um água, converse com um familiar, e, então volte para suas atividades.
  • Celular: o celular pessoal onde recebe mensagens de amigos e notificações das mais variadas redes sociais deve se manter no silencioso e se possível longe de você enquanto trabalha, sendo esse uma distração fácil que pode acabar com seu foco.

O que fazer depois do trabalho?

depois do trabalho

Outro detalhe muitas vezes ignorado quando o assunto é produtividade é aquilo que você faz após o seu horário de trabalho, no seu tempo livre; você sabia que as suas ações quando está fora do trabalho também influenciam no seu foco enquanto trabalha?

Com o home office algumas pessoas não conseguem parar de trabalhar, o fato do ambiente de trabalho estar na própria casa faz com que ela estenda o horário de trabalho por longas horas, e, muitas vezes sem necessidade! Sendo esse o primeiro motivo para que você não tenha foco no dia seguinte.

Deste modo, fica a questão “o que fazer depois do trabalho?”, a resposta está nos seus hobbies, desligue o celular corporativo, não cheque e-mails nem mensagens recebidas após o horário de trabalho.

Neste momento é hora de focar em você, tome um banho relaxante, passe tempo com a família, pratique exercícios físicos, acompanhe esportes, as opções são infinitas, mas, o importante é que esteja longe do ambiente corporativo.

Sucessão sem testamento O que acontece se não houver testamento?

Sucessão sem testamento O que acontece se não houver testamento?

O objetivo deste artigo é tentar resolver a incerteza em que muitas pessoas se encontram quando um familiar morre e não faz testamento.

Existem duas formas básicas de acontecer em nosso país. Assim, quando uma pessoa morre pode haver uma sucessão testamentária, isto é, através de um testamento no qual se reflete a última vontade do falecido; ou intestacy, também conhecido como intestacy. Este último ocorre quando uma pessoa morre sem ter feito testamento , ou quando é declarado nulo.

No primeiro caso, como podemos verificar, e como alega o artigo 658.º do Código Civil, acata a vontade do falecido, e o segundo tem de respeitar as normas legais.

Quando uma pessoa falecer e para saber se fez ou não testamento, qualquer pessoa pode dirigir-se, 15 dias após o falecimento, ao Registo Geral de Últimos Testamentos e Atos Testamentos, e uma vez lá preencher o formulário correspondente (formulário 790), para saber se o falecido fez testamento ou não.

Como você pode imaginar, o problema ocorre quando uma pessoa morre sem ter feito um testamento , e então o que os herdeiros devem fazer nessa situação?

Quem tem direito a essa herança?

A primeira coisa, para saber quais pessoas têm o status de herdeiros quando um testamento não foi concedido, é fazer uma declaração notarial de herdeiros, documento essencial que constituirá o título de sucessão , pois determinará quais pessoas têm o direito herdar e a quota hereditária, ou parte, que corresponde a cada pessoa.

O notário a quem se dirige a intimação da herança para a realização da escritura notarial é escolhido pelo próprio herdeiro, podendo ser tanto o do domicílio do falecido, como o do local onde se encontram a maior parte dos bens do falecido estão localizados ou um notário do lugar da morte. E será no próprio Cartório onde vão onde indicarão a documentação necessária.

E uma vez que eu saiba que sou herdeiro, o que devo fazer?

Ora, uma vez declarado quem tem o direito de herdar ab instestato , é necessário proceder à partilha dos bens.

A referida partição pode ser realizada através de dois procedimentos. Por um lado, o processo extrajudicial, menos dispendioso e, em geral, mais rápido, que ocorre quando todos os chamados à herança concordam com a partilha , ou quando existe um revisor de contas, previamente nomeado pelo falecido, para a distribuição dos seus bens.

Entenda o que é um inventário extrajudicial e quando ele é necessário

Dentro do processo extrajudicial, a primeira coisa que terá que ser feita é uma formação de inventário, onde serão refletidos tanto os ativos quanto os passivos (dívidas) que o falecido possuía; Em seguida, será feita uma avaliação econômica dos bens hereditários, por meio de um perito; e, finalmente, proceder à sua liquidação e partilha.

A outra forma de fazer a partilha, caso os herdeiros não concordem , é a via judicial, regulamentada no artigo 1.059 do Código Civil e para a qual será conveniente recorrer a advogado especializado em Direito das Sucessões e Sucessões.

Construção naval: guerra e indústria

Construção naval: guerra e indústria

A construção naval no Nordeste remonta aos tempos medievais, mas se expandiu durante as guerras napoleônicas de 1793-1815. A partir de meados do século XIX, a ascensão do transporte de ferro foi uma resposta à demanda por carvão para alimentar a revolução industrial.

Guerra, império e indústria estão intrinsecamente ligados na história da construção naval do Nordeste. Como uma nação insular, a Grã-Bretanha dependia de navios para guerra, comércio e expansão colonial. Os ‘navios altos’ de madeira podem parecer românticos para nós hoje, mas eram ferramentas importantes do poderoso Império Britânico, usadas para batalhas navais e para transportar soldados e colonizadores para o exterior, além de transportar mercadorias. 

A maioria dos navios construídos durante o século XIX eram veleiros, embora a partir da década de 1880, o ferro fosse cada vez mais usado em resposta à demanda de carvão para alimentar a revolução industrial. 

Clique e saiba mais sobre Construção Naval.

O carvão que impulsionou a revolução industrial era abundante no Nordeste, e a necessidade de transportá-lo de forma rápida e barata para outras partes do mundo (mas em particular Londres) impulsionou a inovação. Em resposta ao motor de trem a vapor, inventado pelo engenheiro de Newcastle George Stephenson, engenheiros navais desenvolveram carvoeiros movidos a vapor (navios para transportar carvão). Durante a revolução industrial e até o início do século 20, a Grã-Bretanha era o líder mundial na construção naval, e o Nordeste era o principal produtor de navios.

Durante este período, o Nordeste foi descrito como uma região de ‘fronteira’. A demanda por trabalhadores nas minas, estaleiros e outras engenharias pesadas viu um enorme aumento na população, com muitos migrantes vindos da Irlanda e da Escócia, além de países escandinavos e colônias britânicas. Por exemplo, South Shields foi o lar da primeira comunidade muçulmana do Reino Unido, os iemenitas que vieram como marinheiros mercantes e se casaram com a população local.  

No final do século 19, a guerra mais uma vez impulsionou a inovação na construção naval na região. No rescaldo da Guerra da Crimeia, o empresário local William Armstrong revolucionou os armamentos modernos. A Swing Bridge on the Tyne foi construída em 1876 para permitir que os navios de guerra construídos em seu famoso Elwick Yard, no West End de Newcastle, viajassem pelo rio. Armstrong se viu primeiro como um engenheiro – ele vendeu seus navios de guerra para outros países, não apenas para a Inglaterra, e não se considerava responsável pelos usos que suas invenções foram feitas.

A construção naval nunca foi uma indústria estável, e muitos estaleiros surgiram e desapareceram ao longo da era industrial. Mudanças na tecnologia significavam que a construção naval precisava evoluir constantemente, mudando de vela para vapor para turbinas elétricas e de madeira para ferro e aço. Muitas empresas de engenharia naval se desenvolveram para atender os construtores navais, juntamente com outras indústrias, como as de cordas. O reparo de navios também era importante para manter os navios funcionando depois de lançados, e os demolidores demoliram os navios que não estavam mais em condições de navegar.

Na primeira década do século 20, o Nordeste produziu um quarto dos navios do mundo em termos de ‘tonelada’ – o volume (em toneladas) que um navio pode transportar. No entanto, à medida que o Império Britânico começou a declinar em força, também diminuiu sua participação no comércio de construção naval. 

Como são reconhecidos os decretos de divórcio estrangeiros na Espanha?

Como são reconhecidos os decretos de divórcio estrangeiros na Espanha?

Para reconhecer uma sentença de divórcio emitida no exterior, é necessário levar em consideração o país de origem. Dependendo do país em que os requisitos de reconhecimento foram pronunciados, eles serão regidos por regulamentos diferentes.

Com relação a essas sentenças, três tipos de situações podem ser distinguidos:

a) decisões proferidas num Estado-Membro da UE;

b) sentenças proferidas por Estados com os quais a Espanha tenha assinado um Acordo de Reconhecimento de Sentença e

c) As sentenças cujo Estado de origem seja um Estado com o qual não se aplique nenhum acordo ou instrumento internacional.

SENTENÇAS COMUNITÁRIAS

O seu reconhecimento em Espanha é regulado pelo Regulamento (CE) n.º 2201/2003 do Conselho, de 27 de novembro de 2003, relativo à competência, reconhecimento e execução das decisões judiciais em matéria matrimonial e responsabilidade parental .

O artigo 21.º deste instrumento estabelece que as deliberações definitivas de anulação, separação ou divórcio, provenientes de um Estado membro, terão acesso aos registos civis dos restantes Estados membros sem necessidade de passar por qualquer processo especial de homologação.

Os documentos que devem ser apresentados na Conservatória para registar o divórcio pronunciado noutro Estado-Membro são (artigo 37.º):

a) cópia autêntica da sentença de divórcio;

b) o formulário que acompanha o Regulamento, que deve ser emitido e carimbado pelo tribunal e

c) Se a resolução tiver sido proferida à revelia, os documentos que comprovem que o arguido foi devidamente notificado da reclamação.

Se a resolução não estiver redigida em espanhol e a autoridade espanhola o exigir, os documentos listados devem ser acompanhados de uma tradução juramentada (artigo 38).

Não é exigido que os documentos necessários ao registro sejam legalizados ou apostilados (artigo 52).

De acordo com o Regulamento, as sentenças judiciais finais de divórcio serão reconhecidas na Espanha, a menos que (artigo 22):

a) violar a ordem pública espanhola;

b) Forem emitidas à revelia do arguido por falta de notificação, salvo se constar inequivocamente que o arguido aceitou a resolução;

c) se contrariem uma sentença de divórcio proferida em Espanha e, por último,

d) se houver anterior sentença de divórcio proferida em outro Estado estrangeiro que possa ser reconhecida.

Não há mais controles , não é possível rever o mérito da sentença, nem verificar a competência do juiz originário.

SENTENÇAS DOS ESTADOS COM OS QUAIS A ESPANHA ASSINOU ACORDOS DE RECONHECIMENTO DE SENTENÇAS

Os Estados com os quais a Espanha assinou estes acordos, que não fazem parte da UE e que não excluem as decisões de divórcio do seu âmbito material de aplicação, são:   Colômbia, Suíça, URSS (agora aplicável com a Rússia), China, Marrocos, Tunísia , Argélia e Mauritânia.

Cada um desses acordos estabelece as condições que devem ser cumpridas pelas sentenças do outro Estado para serem reconhecidas.

O da Colômbia refere-se simplesmente ao sistema interno e as condições incluídas nos demais são muito semelhantes às estabelecidas em nosso sistema interno, que serão descritas a seguir.

REGISTRO DIRETO DE DIVÓRCIOS DE ESTADOS FORA DA UE OU SEM UM ACORDO INTERNACIONAL

Em 30 de abril de 2021 , entrou em vigor a Lei 20/2011, de 21 de julho, do Registro Civil (LRC) , após quase dez anos de sua publicação no BOE .

Esta lei permite que as sentenças de divórcio emitidas em Estados estrangeiros sem acordo sejam registradas no Registro Civil, sem a necessidade de obtenção de prévia homologação judicial ou “exequatur” .

Esta lei demorou tanto para entrar em vigor que contém referências já obsoletas, como as feitas ao sistema de exequatur da Lei de Processo Civil de 1881, em vez de mencionar a Lei 29/2015 sobre cooperação jurídica internacional em matéria civil.

Antes da entrada em vigor desta Lei, as sentenças de divórcio de terceiros Estados tinham que passar pelo processo de exequatur judicial para serem registradas no Registro.

Veja também um guia completo sobre a homologação de sentença estrangeira

Atualmente, essa possibilidade ainda existe (artigo 96.2 da LRC), mas junto com ela, abre-se a possibilidade de reconhecimento direto do registro, muito mais rápido, barato e fácil.

O interessado em registrar o divórcio pronunciado no exterior deverá apresentar cópia autenticada (atestado) da resolução estrangeira (artigo 95.1 da LRC).

A tradução em espanhol exigida não é obrigatória em todos os casos , e o oficial de registro pode dispensar o promotor se seu conteúdo for claramente indicado.

Em princípio, a resolução que se pretende registrar deve ser legalizada ou apostilada, mas, como foi o caso da tradução, o oficial de registro pode dispensar essa exigência se a autenticidade da resolução for confirmada por outros dados (art. LRC).

Trata-se de uma novidade do novo texto, bem como a menção de que o Encarregado do Registro poderá realizar ex officio as devidas verificações sobre a autenticidade da resolução.

Além desses requisitos formais, para ser registrado no Cartório, a sentença de divórcio estrangeira deve ser:

uma empresa;

b) emitido por tribunal com competência internacional para conhecer do divórcio;

c) ditado depois de oportunamente notificado ao arguido; e

d) não contrário à ordem pública espanhola (artigo 96.2 LRC).

Observa-se que os requisitos de reconhecimento incluídos na LRC são mais severos do que os existentes no Regulamento Comunitário, permitindo, por exemplo, o controle da competência do juiz ou autoridade que emitiu a resolução.

Uma vez que o responsável tenha realizado todas as verificações necessárias, emite uma resolução pela qual concorda em registrar o divórcio ou negar seu registro.

Esta resolução é notificada a todos os interessados ​​(artigo 96.2 da LRC).

Perante esta resolução, as partes podem: recorrer à Direção Geral dos Registos e Notariado, ou recorrer ao processo judicial.

Caso a resolução do Registro tenha sido de indeferimento do registro, as partes poderão requerer o “exequatur” da resolução judicial.

Se a resolução for favorável ao registro, o interessado que se opuser poderá requerer judicialmente o cancelamento do registro.

A LRC permite ainda o registo directo de divórcios extrajudiciais, proferidos no país de origem pelas entidades competentes para o efeito (artigo 97.º da LRC).

Portanto, os divórcios notariais ou proferidos por uma autoridade administrativa estrangeira podem ser reconhecidos na Espanha .

AVALIAÇÃO DA REFORMA

A reforma levada a cabo pela Lei do Registo Civil 20/2011, que entrou recentemente em vigor, deve ser avaliada positivamente . Agiliza o reconhecimento de sentenças estrangeiras com as quais se pretende apenas reconhecer a cessação do vínculo matrimonial, contribuindo em grande medida para que o indivíduo consiga obter justiça no espaço de forma eficaz